Relativismo Moral

Relativismo Moral

 - Pensamento Neutro?
Você está aqui: Filosofia >> Relativismo Moral

Relativismo Moral - O que é isso?
O relativismo moral é a visão de que as afirmações morais ou éticas, que variam de pessoa para pessoa, são todas igualmente válidas e que nenhuma opinião sobre o que é "certo e errado" é melhor do que qualquer outra. O relativismo moral é uma forma mais ampla e mais pessoalmente aplicada de outros tipos de pensamento relativista, tal como o relativismo cultural. Estes são todas baseados na ideia de que não exista um padrão definitivo do bem ou do mal, por isso cada decisão sobre o que é certo e errado acaba sendo um puro produto das preferências e ambiente de uma pessoa. Não existe um padrão definitivo de moralidade, de acordo com o relativismo moral, e nenhuma declaração ou posição pode ser considerada absolutamente "certa ou errada", "melhor ou pior".

O relativismo moral é uma posição muito difundida no mundo moderno, embora seja aplicada de uma forma muito seletiva. Tal como acontece com outras formas de relativismo, é apenas mencionada de forma puramente defensiva. Os princípios do relativismo moral só podem ser usados para justificar ou permitir certas ações, nunca para condená-las. O relativismo moral pode assumir várias formas diferentes, do utilitarismo, evolucionismo e existencialismo ao emotivismo e situacionismo. Todos estes, em sua maior parte, compartilham um único tema unificador: que a moral absoluta não existe e que o "certo" ou "errado" é inteiramente um produto da preferência humana.

Relativismo moral - Existe um padrão fixo?
É fácil ver que os fundamentos da civilização moderna não foram construídos sobre a filosofia do relativismo moral. O próprio ato da aprovação de uma lei e sua aplicação sugere um padrão fixo ao qual todos devem aderir. As razões para isso são óbvias: se todos em uma sociedade realmente agissem como se o certo e o errado fosse puramente uma questão de opinião, então a sociedade iria implodir-se em uma batalha de "o poderoso torna certo". Em uma cultura moralmente relativista, o único motivo para fazer (ou não) alguma coisa é evitar as consequências das suas autoridades.

Todas as leis humanas envolvem algum princípio moral que está sendo aplicado pela ameaça de consequências. Os limites de velocidade são aplicados na maioria das estradas por causa de uma convicção moral de que arriscar a vida de outras pessoas é errado. O mesmo vale para o assassinato, roubo, falso testemunho, fraude e assim por diante. Quando o relativismo moral torna-se dominante, no entanto, os legítimos princípios morais não são mais a base dessas leis. Como tudo é relativo, então essas leis são apenas uma questão de opinião e a única razão universal para segui-las é evitar consequências. Isso encoraja vivamente as pessoas a procurarem formas de "se safar", afinal, é apenas a opinião de uma pessoa contra a opinião de outra.

Mesmo em uma sociedade que funciona sob o âmbito da lei, rachar a ligação entre essas leis e um padrão objetivo é um convite ao desastre. Na melhor das hipóteses, o relativismo moral torna a sociedade instável, uma vez que os conceitos de certo e errado de repente se tornam uma questão de uma opinião popular que está sempre mudando. O pior resultado possível de tal condição é o ditador: um governante que se utiliza de uma mudança temporária na opinião popular para tomar o poder, mas não vê nenhuma autoridade como superior à sua, e não há leis mais restritivas do que as suas próprias leis. Durante os julgamentos de Nuremberg após a Segunda Guerra Mundial, o problema lógico do relativismo tornou-se aparente. Os réus nazistas continuamente suplicaram por sua absolvição, dizendo que eles estavam apenas seguindo as leis de sua terra. Na frustração, finalmente, um juiz perguntou: "mas não existe lei maior que a nossa lei?" Um relativista moral seria forçado a responder "não".

Relativismo moral - Uma conclusão
O relativismo em si é auto-destrutivo. Logicamente, deve haver algum padrão pelo qual possamos comparar dois tipos de afirmações morais para determinar qual é a "mais correta". Obviamente, os relativistas morais negam que essa norma exista e assim dizem que tais comparações são impossíveis. Isso resulta no maior problema prático para o relativismo, como mencionado acima: é difícil, se não impossível, condenar quaisquer ações de um ponto de vista baseado no relativismo moral.

Depois que o certo e errado são relegados a uma questão de opinião (na pior das hipóteses), ou são puramente subjetivos (na melhor das hipóteses), qualquer conversa sobre moralidade torna-se incoerente.

Explore mais agora!


Gostou dessa informação? Ajude-nos ao compartilhar esse artigo com outras pessoas usando os botões dos sites sociais abaixo. O que é isso?




Siga-nos:




English  
Social Media
Siga-nos:

Compartilhar:


Perspectivas Filosóficas de Enxergar o Mundo

Materialismo Cultural
Realismo e Naturalismo
Ateísmo
Deuses Romanos
Politeísmo
Relativismo Moral
Argumento Cosmológico
Relativismo Cultural
Naturalismo
Conteúdo adicional ...

Perspectivas Científicas de Enxergar o Mundo
O que a Bíblia declara ser verdade?
Teísmo
Fundadores dos Sistemas de Crenças
Religiões Mundiais
Descubra a verdade
Assuntos populares
Desafios da vida
Recuperação
 
 
 
Pesquisar
 
Add Relativismo Moral to My Google!
Add Relativismo Moral to My Yahoo!
XML Feed: Relativismo Moral
Filosofia Página principal | Sobre nós | Perguntas Frequentes | Mapa do Site
Copyright © 2002 - 2014 AllAboutPhilosophy.org, Todos os direitos reservados.